Por: Juliana | 08/02/2018

 

 

A gerência Regional da Saúde de Chapecó, que atende 39 municípios da região Oeste, chama atenção para incidência das notificações  de aparecimento da lagarta venenosa Taturana (Lonomia obliqua). Em janeiro deste ano foram registrados, até agora, o atendimento de 14* pessoas que tiveram o contato com a lagarta, 11 pacientes apresentaram a necessidade de utilizar o soro para tratamento, nenhum óbito foi registrado. A presença da lagarta foi confirmada em pelo menos 18 municípios da abrangência.

A gerência da Saúde está atenta e pede atenção da população. “Nossa equipe está comprometida em auxiliar os municípios e prestar orientações. Com esclarecimentos, a intenção é diminuir este tipo de acidente e evitar casos mais graves”, afirma a secretária Executiva da Agência de Desenvolvimento Regional – Chapecó, Astrit Savaris Tozzo.

Segundo a coordenadora do setor de Zoonoses da Gerência de Saúde de Chapecó, Deyse Angelini, é necessária prudência, já que as lagartas podem ser encontradas no campo ou até mesmo em quintais com bastante arborização. “Caso você visualize as lagartas taturanas informe ao setor de saúde do seu município para fazer a correta identificação e coleta”, destaca Deyse.

Cuidados

Quando a pessoa entra em contato, a lagarta libera uma toxina pelas cerdas, que provoca manifestações hemorrágicas, isso faz com que o paciente agrave. “Começa às vezes com uma hemorragia discreta, mas em questão de horas pode evoluir e levar a óbito. Ao ter contato com a lagarta procure o serviço de saúde do seu município para avaliar a necessidade da aplicação do soro, a utilização depende da imunidade de cada paciente”, enfatiza a coordenadora. Os sintomas iniciais variam: vômito, dor de cabeça e manchas pelo corpo.

Soro

O soro antilonômico utilizado no tratamento de acidentes causados pela taturana é produzido com as cerdas da própria lagarta, por isso elas não devem ser queimadas.  “Precisamos delas vivas para fazer o soro. A recomendação é tirar uma foto da lagarta e procurar o serviço de saúde para identificar a espécie, caso seja a venenosa uma equipe do próprio município é deslocada no local para fazer a coleta da lagarta para produzir soro”, explica.

Municípios que registraram a presença da lagarta na abrangência da Gerência Regional da Saúde de Chapecó:

– Campo Erê, Caxambu do Sul, Chapecó, Cordilheira Alta, Cunha Porã, Guatambu, Irati, Palmitos, Pinhalzinho, Quilombo, Santiago do Sul, União do Oeste, Maravilha, Santa Terezinha do Progresso, São Miguel da Boa Vista, Modelo, São Lourenço do Oeste, Novo Horizonte . *Dados retirados no SinanNet, atualizados em 07/02/2018.