Por: Juliana | 28/11/2017

O Grupo Gestor do Projeto “Desenvolvendo e Avaliando a Criatividade e o Pensamento Crítico”, composto pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), no âmbito do Movimento Santa Catarina pela Educação, SENAI Chapecó, Secretaria Municipal de Educação de Chapecó,  Gerência Regional de Educação de Chapecó  e Instituto Ayrton Senna, se reuniu nessa segunda-feira (27) para avaliar o ano e projetar ações para 2018. Estiveram presentes o conselheiro do Movimento e diretor do Instituto Ayrton Senna Mozart Neves Ramos, a diretora do Instituto Ayrton Senna Tatiana Filgueiras, a secretária de Educação de Chapecó Sandra Galera, o diretor-executivo do Movimento, Antônio José  Carradore, o diretor técnico do SENAI/SC Maurício Cappra Pauletti e representantes das instituições envolvidas.

            De acordo com Mozart Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, os resultados do projeto são satisfatórios. O Instituto irá elaborar uma proposta para eventual ampliação das competências no projeto que, posteriormente, serão avaliadas pela rede municipal de Educação de Chapecó, rede estadual e Sistema S. Em 2018, será dada continuidade à capacitação dos professores para a aplicação do projeto em suas disciplinas.

            O diretor do Instituto enfatizou que as competências socioemocionais são importantes para as necessidades do século 21 e precisam ser incorporadas ao ensino. “Pesquisas mostram que quando é oferecida educação integral os impactos na aprendizagem são bastante significativos”, frisou.

            Para Maurício Pauletti, diretor técnico do SENAI, os resultados do projeto foram positivos. “Percebemos motivação dos alunos que estão engajados na proposta. Os professores também fazem avaliação positiva da metodologia. Nossa intenção agora é expandir para outras unidades do SENAI que tenham ensino médio. Em Chapecó, foram capacitados 14 professores e foram atingidos 190 alunos. Agora, a intensão é levar o projeto para outras unidades do SENAI/SC”.

O diretor-executivo do Movimento, Antônio Caradorre, destacou que além do projeto, também há resultados positivos no âmbito do Movimento Santa Catarina pela Educação. Quando o Movimento iniciou, em 2012, menos de 50% dos trabalhadores da indústria tinham educação básica completa. Atualmente, esse índice passou para 59%. “Esse é um dado que caminha em paralelo à movimentação feita com as secretarias municipais e o Estado”, destacou, acrescentando que 65% dos jovens de hoje atuarão em profissões que ainda não existem.

PROJETO

Em agosto deste ano, foi assinado um termo de compromisso que amplia a oferta de educação integral no Estado – que consiste na formação completa do estudante, tanto de competências cognitivas como socioemocionais. 

No município, a iniciativa passou a ser lei em agosto, a partir de proposição da Câmara Regional do Movimento SC pela Educação. O projeto é inédito no Estado e ocorre em Chapecó desde 2015. É voltado para estudantes do ensino fundamental e médio, por meio da capacitação de professores de diferentes disciplinas que, ao aderir à proposta, passam por formações específicas e utilizam metodologias próprias ao longo do ano letivo, com autonomia para identificar o melhor momento para as ações dentro de suas aulas.